[Resenha] Graphic Novels: Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan e Robert Venditti


Apesar da demora, a conquista da adaptação para série de Percy Jackson e os Olimpianos foi possível e sairá, enfim, das páginas dos livros e da imaginação dos fãs até 2022, mas essa não vai ser a primeira adaptação da saga de livros de Rick Riordan (e não, ninguém está falando daqueles filmes da FOX que até o próprio autor odeia). Em 2013, o autor já havia conquistado a adaptação de suas histórias para o formato de Graphic Novels

O que isso quer dizer? Bem, querido leitor, isso quer dizer que o tio Rick tem quadrinhos de PJO!

O responsável por eles foi Robert Venditti, escritor e desenhista, que se encarregou da adaptação dos livros. Já em relação à arte, os três primeiros foram confiados ao desenhista Atilla Futaki, enquanto os dois últimos foram desenhados por Orpheus Collar (quem também adaptou os livros A Pirâmide Vermelha e O Trono de Fogo da trilogia As Crônicas dos Kane, ambos também de Rick Riordan). Contudo, em termos de coloristas, entre os cinco livros foram quatro: José Villarrubia, Tamás Gáspár, Greg Guilhaumond e Antoine Dodé.

Se você já leu os livros – ou mesmo já ouviu falar deles –, sabe como a história segue. Em O Ladrão de Raios, Percy descobre que é um semideus, enfrenta um minotauro, enfrenta o deus Ares e também descobre (obviamente) quem é o Ladrão de Raios. Em O Mar de Monstros, o temos lidando mais diretamente com os empecilhos e bênçãos que a vida de um filho de Poseidon traz, lutando no meio do Triângulo das Bermudas (o Mar de Monstros), enfrentando uma feiticeira antiga e descobrindo um irmão. Em A Maldição do Titã, Percy resgata os irmãos Bianca e Nico das garras de monstros, descobrindo mais segredos dos Três Grandes, conhece Ártemis e suas caçadoras e lida com a maldição do tal titã. Em A Batalha do Labirinto, ele descobre as histórias do grande labirinto de Dédalo e, numa corrida contra o tempo, tenta ganhar vantagem sobre Cronos – o Titã que, ao ser despedaçado, deu início a Era dos Deuses. Em O Último Olimpiano, enfim temos o estopim da culminação de todos os outros livros na grande guerra de Manhattan entre deuses, titãs e semideuses.

Em resumo, é esse o mesmo caminho que Percy e seus amigos enfrentam nessas graphic novels, mas, seja pelo número de páginas reduzidas ou por outras questões técnicas que entram em cheque no momento da adaptação, ao se iniciar a leitura dos quadrinhos não se pode esperar pelos mesmos detalhes que se encontra nos livros de Rick Riordan. Contudo, mesmo com isso em mente, também é compreensível que algumas comparações sejam feitas. A minha dica é: não deixe que essas comparações te impeçam de se divertir e aproveitar a leitura.

Pessoalmente, as graphic novels de O Ladrão de Raios, O Mar de Monstros e A Maldição do Titã me agradaram muito mais, seja pela arte, que era mais madura, ou pela coloração, que era, por vezes, mais sombria. Por isso foi esquisito estranhar não sentir a mesma coisa com A Batalha do Labirinto (que, originalmente, é o meu favorito) e O Último Olimpiano, que me pareceram mais corridas e apressadas (especialmente por haverem muitos detalhes e muitos arcos precisos para as poucas páginas designadas – tipo o de Pã, o de Calipso, e até mesmo o da guerra de Nova York). 

Porém, ainda com tudo isso, se eu tivesse que escolher um favorito entre esses dois últimos, a minha escolha seria O Último Olimpiano. Daria para despejar diversos motivos aqui, mas a real é: eu chorei. A aparição de Héstia, o arco de May Castellan, a família que Luke constituiu com Thalia e Annabeth, as mortes na guerra de Manhattan, os presentes dos deuses... Tudo isso significa muito para mim, significou na primeira vez em que li os livros e, sendo até então uma das melhores adaptações, continuou a significar no momento em que li a graphic novel

Enfim: vale a pena, muito, de verdade. É gostoso, dá para terminar todas num único dia, só vai ser difícil dar adeus, mesmo você sabendo que aquilo vai sempre estar ali para ser lido e relido quantas vezes você quiser.


Ficha Técnica

     


Nomes: O Ladrão de Raios, O Mar de Monstros, A Maldição do Titã, A Batalha do Labirinto, O Último Olimpiano.
Autor: Rick Riordan.
Adaptador: Robert Venditti.
Artistas: Atilla Futaki, Orpheus Collar, José Villarrubia, Tamás Gáspár, Greg Guilhaumond e Antoine Dodé.
Tradutor(es): (até a última revisão não foi possível encontrar quem traduziu, só a editora, cuja é a Intrínseca.)
Onde comprar: Amazon.
  • Em português: O Ladrão de Raios, O Mar de Monstros, A Maldição do Titã.
  • Em inglês: O Ladrão de Raios, O Mar de Monstros, A Maldição do Titã, A Batalha do Labirinto, O Último Olimpiano.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

[Resenha] Graphic Novels: Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan e Robert Venditti [Resenha] Graphic Novels: Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan e Robert Venditti Reviewed by Jota Albuquerque on setembro 05, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.