10 filmes LGBTQ para ver nessa quarentena


Com poucas ou muitas coisas para fazer em meio a essa quarentena, todo mundo deve estar se perguntando o que fazer para passar o tempo, portanto, trouxemos respostas para todas as suas dúvidas: 10 filmes LGBTQ para ver nessa quarentena. Importante ressaltar que alguns desses filmes podem conter gatilhos, por isso fica aqui o nosso aviso de gatilho.

E à lista aqui vamos nós...

Ana e Vitória

Imagem: Divulgação.

Sinopse:
"Ana e Vitória se encontram em uma festa que marca o início da parceria musical. As duas precisam aprender a lidar com os fãs e a fama."

Contando a história da dupla Anavitória do momento que ficaram famosas até o boom que se tornaram por todo o Brasil (e também mundo), o filme mostra as particularidades das cantoras (e atrizes) Ana Caetano e Vitória Falcão. Misturando realidade com fantasia, temos um belíssimo trabalho artístico que se emaranha às músicas com o intuito de prosseguir trilhando as desavenças, decepções e felicidades das meninas nas telas em um formato único e cuidadoso que só o cinema brasileiro consegue fazer. Entre paixões intensas de homens e mulheres, elas seguem cantando e contando uma lindíssima história de amor e amizade que perdura mesmo nos mais difíceis momentos.

Com Amor, Simon

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Aos 17 anos, Simon Spier aparenta levar uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: não revelou ser gay para sua família e amigos. E tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de classe, anônimo, na internet."

Baseado no livro best-seller Simon vs. a Agenda Homo-Sapiens de Becky Albertalli, Com Amor, Simon foi o primeiro romance adolescente LGBTQ de um grande estúdio. Narrado pelo próprio Simon (Nick Robinson), acompanhamos a história de um garoto gay que começa a trocar e-mails com outro garoto denominado Blue. Contudo, como toda narrativa romântica, nada segue em um mar de rosas para sempre, então Simon é obrigado a lidar com toda a pressão que as consequências de seus erros e escolhas o levam a enfrentar. É um filme lindamente desenvolvido, com uma forte cultura gay do estadunidense e cenas para rir e chorar em igual (escandalosa) proporção. Ah! E terá uma série de sequência que lançará na plataforma de streaming da Hulu em Junho desse ano.

Freak Show

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Billy Bloom (Alex Lawther) é um aluno de ensino médio, que apesar de estudar em uma das escolas mais conservadoras da região, pretende fazer todo o possível para realizar seu sonho, que de tradicional não tem nada."

Freak Show é o próprio epítome do humor ácido, um filme que traz risadas em momentos tensos com as tiradas do personagem sagaz e sofrido que é Billy Bloom. Apresentando cenas com tonalidades escurecidas, pode-se perceber logo de início que não serão só coisas boas que iremos assistir, contudo é perceptível a evolução gradual dos tons escuros para os claros, simbolizando toda a claridade que o período de adaptação na casa do pai traz a Bloom. Sem dúvidas agonizante, é um filme que ainda consegue entregar um final coerente e feliz ao personagem.

Handsome Devil

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Um é uma estrela do rugby super popular do time, o outro é considerado um perdedor por todos. A contragosto, eles são forçados a dividir um quarto em sua escola e, inesperadamente, formam uma amizade improvável."

"Uma verdadeira pérola", como diz o pôster acima, esse longa irá destruir o seu frágil coraçãozinho (positivamente falando) com toda a fofura contida nele. Divertido, traz personagens que, mesmo distantes da nossa realidade e cultura, são extremamente relacionáveis, e completos opostos entre si, o que só o torna ainda melhor. Dinâmicas em que há sempre "extrovertido x introvertido" ou "engraçado x sério" são inegavelmente as mais intrigantes para todos os amantes de casais improváveis, e é exatamente isso o que ocorre entre Ned e Connor. Ou seja: fica aí a dica.

Hello Again

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Dez almas perdidas se encontram e desencontram em uma exploração musical do agridoce abraço do amor", em tradução livre.

Baseado em uma peça da Broadway de mesmo nome, Hello Again é sobre encontro de almas, amores que transcendem uma única vida, e sobre os nossos entendimentos de conexão. Maravilhosamente seduzente, o longa é um musical sensual que viaja por diferentes épocas da história norte-americana nos apresentando diferentes histórias de amor, muitas que não deram certo, com uma mensagem subvertida de "finais felizes", ao mesmo tempo que trazendo para nós a crença de possibilidades infinitas para se reviver o amor (nem que seja com outras pessoas em outras vidas). É um filme do tipo "desenrolar mais após assistir".

Ideal Home

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "O chefe de celebridades Erasmus (Steve Coogan) e seu parceiro Paul (Paul Rudd) tem uma vida perfeita juntos, mas em um jantar aparece um neto que Erasmus não sabia que tinha e, além disso, o pai do menino está na prisão. O casal acolhe o neto e a receita para o desastre é certa, mas apesar disso, se tornam uma família cheia de humor e amor."

Brincando com estereótipos e subvertendo-os, Ideal Home traz uma divertidíssima história com dois homens prestes a se divorciar que acabam ficando responsáveis por uma criança e precisam lidar com ela enquanto lidam com o seu relacionamento. Parece plot de fanfic (ou qualquer outra comédia romântica), não é mesmo? E é justamente isso que o torna ainda mais perfeito. Você vai chorar e vai rir vendo essa família se formar enquanto aprende a lidar com a disfuncionalidade geral devido o total de dois neurônios por cabeça em cena. E ainda tem o Paul Rudd, um motivo melhor que esse só se a indicação vier do próprio Papa...

Paraíso Perdido

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Paraíso Perdido é um clube noturno gerenciado por José e movimentado por apresentações musicais de seus herdeiros. O policial Odair se aproxima da família ao ser contratado para fazer a segurança do jovem talento Ímã, neto de José e alvo frequente de homofóbicos e, aos poucos, o laço entre o agente e o clã de artistas românticos vai se revelando mais e mais forte, com nós surpreendentes."

Mais um nacional, Paraíso Perdido traduz em pouco mais de uma hora o que é o cinema brasileiro: icônico. Dramático, intenso e colorido, o longa nos apresenta uma narrativa onde o foco central é um clube noturno e os personagens que ali frequentam. Com elenco de peso, a história normaliza e demonstra - de verdade - o que significa ser e viver enquanto alguém LGBTQ no Brasil, com as alegrias, as tristezas, as vitórias e as derrotas, sabendo dosar bem no tempo de tela de cada personagem, dando a importância e atenção devida a cada um dentro da trama.

Rocketman

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Extremamente talentoso mas muito tímido, o pianista prodígio Reginald Dwight muda seu nome para Elton John e torna-se uma estrela da música de renome internacional durante os anos 1970."

Se você for apaixonado por musicais ou filmes quase documentais, esse é perfeito para você. Com Taron Egerton de Elton John, temos um filme seguindo, como diz a sinopse, o caminho do pianista até a fama, nos apresentando todas as conturbações do cantor desde o começo - que, por sinal, é magistral a técnica escolhida de abertura e conclusão. Semelhante à Paraíso Perdido na maneira em que utiliza das cores para se embolar em toda a história e contá-la ao telespectador, Rocketman é emocionante e te fará terminar o filme se não chorando, tremendo como um pinscher. Como primeiro filme LGBTQ de grande estúdio a mostrar cena de sexo entre dois homens, crítica e opiniões da (e com a) trilha sonora do longa também temos aqui!

Saturday Church

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "Um adolescente de 14 anos do Bronx, lutando com identidade de gênero e religião, começa a usar a fantasia para escapar da sua vida real e descobrir quem ele realmente é."

Se uma única palavra fosse necessária para descrever resumidamente esse filme, a escolha óbvia seria: profundo. Muito semelhante a série Pose em algumas questões (e com algumas atrizes da série, como MJ Rodriguez e Indya Moore), como haver um refúgio para a população LGBTQ, esse por vezes doloroso musical sobre a vida de um jovem garoto negro que luta para se expressar e compreender em Nova York após a morte de seu pai traz muito sobre quão significativo o apoio e acolhimento para pessoas LGBTQ é.

The Thing About Harry

Imagem: Divulgação.

Sinopse: "O longa segue os velhos inimigos da época de escola, Sam (Jake Borelli) e Harry (Niko Terho). Os dois acabam tendo que compartilhar uma viagem de carro até sua cidade natal no Missouri para irem ao noivado de um amigo em comum, isso em pleno Dia dos Namorados."

Com representatividade pansexual, essa comédia romântica possui todos os tropes que poderíamos querer e pedir, de "rivais para amantes" até "apaixonado pelo meu melhor amigo", pense em qualquer clichê que apareça em filmes do mesmo gênero (e especialmente em fanfics) e provavelmente The Thing About Harry terá. A trama de Sam odiar Harry e por uma ironia do destino (e inabilidade de dizer 'não') ter de dar carona para ele numa viagem de mais de 7 horas é emocionante de te fazer chorar de tristeza e engraçado de te fazer rir de doer a barriga, é possível falar com toda a plenitude do mundo que esse filme é uma das melhores coisas de 2020.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

10 filmes LGBTQ para ver nessa quarentena 10 filmes LGBTQ para ver nessa quarentena Reviewed by Jota Albuquerque on maio 30, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.