[Crítica] Não Se Aceitam Devoluções, de André Moraes


Refilmagem de filme mexicano que subverte os tropes tão comumente usados que consegue ser divertido, mas destruidor 


Essa seria uma descrição perfeita para o filme nacional Não Se Aceitam Devoluções, de direção de André Moraes e roteiro adaptado por Ana Maria Moretzsohn e Patrícia Moretzsohn. Porém, ainda é raso para o quê, de fato, o longa nos permite vivenciar.

Caso você não saiba sobre o que se trata a história, só que é categorizada como comédia e tem o ator Leandro Hassum, a veja por isso mesmo. É provavelmente dessa maneira que você deveria ir assistir ao filme porque, em partes, é verdade, enquanto, em outras, nem tanto. E é dessa ignorância, do mistério pairando sobre o que você pode ou não vivenciar que o torna deveras impactante.

Contudo, para os mais curiosos, um resumo: Não Se Aceitam Devoluções gira ao redor da história de pai e filha após o abandono materno que a criança enfrenta ao um ano de idade. Juca Valente (Leandro Hassum) é um homem solteiro, apaixonado pela vida que leva, que um dia recebe a pequena Emma na porta pela mulher com quem dormiu dois anos atrás, a americana Brenda (Laura Ramos). Tentando devolver a menina para a mulher que sumiu ao ir pagar o táxi, ele viaja aos Estados Unidos, onde conhece Bob (Jarbas Homem de Melo) que, após o ver pular de um prédio para salvar a pequena de um afogamento, lhe oferece um emprego de dublê para viver no país e se com isso se vê livre do medo de lhe arrancarem Emma, com quem acaba criando um laço. E assim, do nada, a vida de Juca está radicalmente mudada. Só tem um detalhe: ele não sabe inglês.

Interessante é que apesar do que se pode esperar de adaptações (mesmo que mantendo a essência e sem grandes mudanças no geral), encontramos personagens mais diversos, cativantes, reais e complexos em comparação ao filme original. É uma trama em que você consegue entender - e ter empatia - por todos os personagens, gerando um conflito vivo, justamente ocasionado por podermos entender todas essas ações, mesmo as achando errôneas. 

Essa alternância sentimental dependendo da cena e quem está em tela nos deixa aflitos, confusos e, sem dúvidas, moralmente questionáveis ou conflituosos, dependendo de cada um. Isso se deve também, sem dúvidas, ao efeito da brasilidade sendo representada em tela.

O longa-metragem não nos permite somente risadas, momentos de reconhecimento pessoal e cultural, mas também lágrimas e dores de realizações com questões destruidoramente válidas e reais. Realista, Não Se Aceitam Devoluções é um filme que consegue mesclar densidade com leveza numa maestria absurda, passando mensagens bem bordadas na narrativa com atores que nos entregam um show de atuação.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

[Crítica] Não Se Aceitam Devoluções, de André Moraes [Crítica] Não Se Aceitam Devoluções, de André Moraes Reviewed by Jota Albuquerque on dezembro 05, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.