[Crítica] Marriage Story, de Noah Baumbach

Foto: Divulgação/Netflix

No último dia 06, Noah Baumbach lançou seu novo filme pela Netflix. Marriage Story nos mostra o divórcio de Nicole (Scarlett Johansson) e Charlie (Adam Driver). No que a principio parece ser um divórcio amigável, ao longo do tempo a situação se complica bastante e vemos os problemas que levaram a isso.

Apesar de um tema pesado e dramático, o filme se passa de forma muito simples, no dia a dia do casal, e essa é uma característica marcante dos filmes do Noah Bumbach. Assim como em "A Lula e a Baleia", em que o diretor usou parte da história do divórcio dos pais, em "Marriage Story" ele usa um pouco do próprio processo de divórcio com a atriz Jennifer Jason Leigh, em 2005. Segundo Noah, ele enviou o primeiro roteiro para Jennifer, que achou tudo respeitoso e deu permissão para que a história pudesse ser usada.

Quando se conheceram, Charlie era um diretor e dramaturgo desconhecido, enquanto Nicole tinha feito sucesso recente com um filme adolescente. Ao longo do tempo, Charlie acaba manipulando Nicole emocionalmente, para que só o que ele queria fosse feito, enquanto os desejos dela eram deixados para trás. A manipulação de Charlie é um tópico de debate entre quem já assistiu, pois ele vem de uma família com agressões, abuso de álcool, mas de qualquer forma, inconsciente ou não, devido a traumas ou não, a manipulação emocional estava lá.

As atuações desse filme são impressionantes. Scarlett Johansson e Adam Driver estão recebendo diversas indicações em vários premiações dessa temporada e Adam inclusive é um dos favoritos ao Oscar. Várias cenas são simples mas perfeitas do ponto de vista da atuação, e quando termina você se sente embasbacado. O monólogo de Nicole quando se encontra com sua possível advogada (Laura Dern, aparece pouco, mas rouba a cena quando faz), a briga de Charlie e Nicole, Charlie cantando e a Charlie lendo a carta. Seja aquecendo o coração ou te deixando arrasado, são cenas que você se vê pensando muito tempo após terminar o filme.

Uma coisa que achei curiosa é que em um grupo de cinema que eu participo rolou uma divisão de pessoas que defendem Nicole e outras que defendem Charlie. Fui assistir o filme com esse debate já na cabeça e depois que terminei não consegui entender: pra mim, é mais do que óbvio que Charlie fez as merdas e que Nicole estava mais do que certa em querer se divorciar. Não sei se ficou óbvio para mim por ser mulher e ler bastante sobre relacionamentos e seus problemas; ou se a torcida pelo Charlie se dá muito mais por uma não separação do personagem e o ranço da Scarlett defendendo o Woody Allen e fazendo papeis que são whitewashing e mesmo com todas as discussões, ela ainda acha que não tem nada de mais nisso.

Enfim, apenas uma reflexão.

Marriage Story chega com força pra essa temporada de premiações,  sendo indicado diversas vezes nos prêmios de melhor atriz (Scarlett), atriz coadjuvante (Laura Dern, essa com menos força, não deve chegar ao Oscar), trilha sonora, melhor direção, roteiro e melhor ator, com Adam Driver. A cotação está tão forte que já colocam uma batalha entre ele e Joaquim Phoenix, por Coringa.



Caroline Cardozo

Caroline faz licenciatura em Física. Tem seu gosto musical formado pela Rádio Cidade e Disk MTV. Gosta de Crepúsculo e Jane Austen. Meio perdida sobre tudo mas nada surpreendente vindo de uma milleniall.

[Crítica] Marriage Story, de Noah Baumbach [Crítica] Marriage Story, de Noah Baumbach Reviewed by Caroline Cardozo on dezembro 14, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.