#LeiaComOrgulho: Livros LGBTQ porque todas as histórias são importantes

#LeiaComOrgulho: Livros LGBTQ porque todas as histórias são importantes

O QUE ACONTECEU NA BIENAL DO RIO DE JANEIRO DE 2019 É NADA MAIS  DO QUE CENSURA, NÃO CONSEGUIMOS FAZER MUITO, MAS O POUCO QUE CONSEGUIRMOS, VAMOS FAZER. LEIAM AUTORES LGBT+, CONSUMAM CONTEÚDO LGBT+, A GENTE PODE CAIR, MAS NÃO VAMOS CAIR SEM LUTAR!

Um tempinho atrás eu fiz uma compilação com romances LGBTQIA+ que havia lido até então, alguns ficaram em destaques e outros entraram ao fim da lista como sugestão de leitura (a divisão foi metade arbitrária, metade porque eu queria destacar os livros pelas letras da sigla). Mas tinha alguns livros muito queridos pela equipe (é de UMDFF mesmo que eu estou falando) e que deixou o pessoal bem indignado com ele não entrando em destaque. Em vista disso, estou aqui mais uma vez com uma listinha de livros para ler, eu realmente amo uma lista.

*Apenas indiquei livros que li, se falta algo é porque infelizmente ainda não tive o prazer de ler. Aceito indicações.

**Ordem de indicações aleatória.



Quinze Dias, de Vitor Martins





Sinopse: 

Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

Minha opinião sobre o livro: 

Esse foi meu primeiro livro do Vitor e eu comecei tão certo. Aqui temos não só a questão do Felipe ser gay, mas, dele ser gordo e como tudo parece ser duplamente mais difícil para ele, porque ser gay tudo bem, mas ser gay e gordo já é demais. Meu livro tá todo marcado porque cada vez que o Felipe falava do próprio corpo era como se eu estivesse revivendo minhas história. Menção honrosa para Rita, mãe do Felipe é uma das melhores personagens dessa obra. Esse é definitivamente um livro para jovens e adolescentes, pois fala sobre amor próprio, inseguranças, descobertas e primeiro amor.


Você Tem a Vida Inteira, de Lucas Rocha





Sinopse: 

Um livro sensível sobre o amor após um diagnóstico de HIV. O livro de estreia de Lucas Rocha é sensível e honesto sobre um assunto que ainda é um grande tabu As vidas de Ian, Victor e Henrique são entrecortadas pelo diagnóstico do HIV. Victor fica inseguro ao descobrir que Henrique, com quem está começando uma relação, é soropositivo e resolve fazer um teste, mesmo que os dois só tenham transado com camisinha. Logo depois de um resultado negativo, ele conhece Ian, um universitário como ele que acabou de receber uma notícia que pode mudar sua vida. No impulso de ajudar o garoto, Henrique entrelaça os destinos dos três. Lucas Rocha narra, a partir das três perspectivas, os medos, as esperanças e o preconceito sofrido por quem vive com HIV, mas, principalmente, conta uma história que não é sobre culpa ou sobre estar doente, e sim sobre como podemos formar nossas próprias famílias e sobre nunca esquecer que ainda temos a vida inteira.

Minha opinião sobre o livro:


Antes de mais nada, esse livro vai sair no exterior, e com tudo que aconteceu na Bienal, é pra comemorar mais ainda e acreditar que nem tudo está perdido e a lutar não pode parar. E nossa, merece todos os louros que está colhendo mesmo, porque que obra. Não só desmistifica e trás a luz um tema tão importante quando o HIV, como deixa claro que ninguém está condenado; existe uma vida inteira para além de qualquer condição que a pessoa possa se encontrar. Nós temos horror a IST (inclusive por muito tempo usávamos uma nomenclatura equivocada, DST se referia a doenças o que não condiz com a condição dos quadros, daí a mudança para IST- Infecções sexualmente transmissíveis ) e mesmo assim não sabemos nada sobre. O pouco que se tenta ensinar na escola é demonizando o ato sexual. Fico feliz que temos autores como o Lucas Rocha que num livro curtinho fez mais do que muitos daqueles que deveriam estar inos informando sobre isso. 


Um milhão de finais felizes, de Vitor Martins



Sinopse: 

Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais. Sua mãe alimenta a esperança de que ele volte a frequentar a igreja, e seu pai não faz muito por ele além de trazer problemas. Mas é quando conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade. Buscando conforto em seus amigos (e na sua história sobre dois piratas bonitões que se parecem muito com ele e Arthur), Jonas entenderá o verdadeiro significado de família e amizade, e descobrirá o poder de uma boa história.

Minha opinião sobre o livro:

Mais um do Vitor Martins, pois um cristalzinho sem defeitos. Aqui conhecemos a história dos nossos piratas gays, mas também sobre os tantos significados que podemos dar para o conceito de família, inspiração e escolhas para o futuro. Nesse segundo livro, VM só confirma como sua escrita é leve, fofa e cheias de camadas. Como por vezes estamos presos em situações que para sair, teremos que abrir mão de coisas muito significativas e como mesmo diante do profundo desespero, ainda encontramos razões para sorrir e pessoas com quem contar. 


Carry On - Ascensão e Queda de Simon Snow, de Rainbow Rowell


Carry On - Ascensão e Queda de Simon Snow, de Rainbow Rowell



Sinopse: 

Simon Snow é um bruxo que estuda numa escola de magia na Inglaterra. Profecias dizem que ele é o Escolhido. Você pode até estar pensando que já conhece uma história parecida. O que você não sabe é que Simon Snow é o pior Escolhido que alguém já escolheu. Poderosíssimo, mas desastroso a ponto de não conseguir controlar sequer sua própria varinha, Simon está tendo um ano difícil na Escola de Magia de Watford. Seu mentor o evita, sua namorada termina com ele e uma entidade sinistra ronda por aí usando seu rosto. Para piorar, seu antagonista e colega de quarto, Baz, está desaparecido, provavelmente maquinando algum plano insano a fim de derrotá-lo. ''Carry on'' é uma história de fantasma, de amor e de mistério. Tem todos os beijos e diálogos que se pode esperar de uma história de Rainbow Rowell, mas com muito, muito mais monstros.

Minha opinião sobre o livro:

Para quem não sabe, esse livro é uma espécie e spin off de Fangirl, da mesma autora. Aqui ficamos por dentro da história que fez Cathy e a irmã escreverem fanfics e ficarem alucinadas. Simon Snow por si só já parece uma alternativa a outro personagem que conhecemos, Harry Potter, e o que aquela história teria sido se a rixa do jovem bruxo com um colega de escola não passasse de tensão sexual. É legal que Carry On contém sete livros em um, e ao passo que o primeiro livro é mais parado e chatinho, depois que o Baz aparece a história SIMPLESMENTE fica P-E-R-F-E-I-T-A. Se você gosta de fantasia, acredita no poder das palavras e que existe uma escolha entre o bem e o mal, esse é o livro certo para você. Mas também se você não acredita em nada disso e só quer ver um personagem incrível, também é, porque o Baz tá no livro. 


Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo, do Benjamin Alire Sáenz





Sinopse:


Em um verão tedioso, os jovens Aristóteles e Dante são unidos pelo acaso e, embora sejam completamente diferentes um do outro, iniciam uma amizade especial, do tipo que muda a vida das pessoas e dura para sempre. E é através dessa amizade que Ari e Dante vão descobrir mais sobre si mesmos - e sobre o tipo de pessoa que querem ser.

Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão.

Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.

Minha opinião sobre o livro:

Essa história é de uma sensibilidade que dificilmente alguma resenha vai conseguir alcançar. Uma coisa que reparei durante a leitura, é que as histórias de Sáez concentram-se fortemente nos temas sobre dor, família, amizade, crescimento e sobre lidar com preconceitos. O autor consegue passar as experiências vividas por seus personagens adolescentes de forma extremamente realista. Além disso, há tanta angústia em seus livros que poderia torná-los pesados demais, no entanto, há um frescor, quase como o dia depois de uma tempestade. 


Todas as cores do Natal, organizado por Página 7






Sinopse: 

A Agência Página 7 reuniu cinco autores para contar histórias divertidas e emocionantes sobre personagens LGBTQ+ durante as festas de fim de ano. Nessa coletânea, Vitor Martins narra uma divertida história de amigo secreto no curso de inglês que vai fazer o leitor morrer de amores e vergonha alheia por Renato. Já Bárbara Morais traz o universo das Garotas Mágicas para salvar o Natal na capital do país e falar sobre a importância da amizade verdadeira. Lucas Rocha conta como Danilo só queria um fim de ano comum, mas, de repente, tudo dá errado na noite de Natal e ele se vê preso em uma tempestade envolvendo um peru assado, um cachorro e o garoto por quem ele tem uma quedinha. Alliah mostra que uma simples viagem em grupo de fim de ano para uma ilha no litoral do Rio de Janeiro pode revelar seres sobrenaturais sofrendo com as alterações mágicas causadas pela poluição dos mares. Para fechar com chave de ouro, Mareska Cruz fala sobre a relação de Benedita com o Natal desde o seu nascimento: são quinze anos de pura diversão, coração partido, amor e amizade.

Minha opinião sobre o livro:
Obviamente eu tenho meus contos favoritos, mas o que amo nesse livro é o fato de haver uma preocupação em não se limitar a uma letra da sigla, pelo contrário, temos aqui desde personagens aces, até não binários, mesmo o estilo narrativo é diverso fazendo com que pessoas com gostos completamente diferentes possam vir a gostar de algum conto presente nesta coletânea. Fico muito feliz de saber que existe pessoas no mercado editorial preocupadas e dar voz e publicar histórias diversas. "Todas as Cores do Natal" propõe trazer a voz dos escritores enquanto pessoas LGBTQ+ para ilustrar as experiências de seus personagens a partir de uma perspectiva mais próxima. Escrever com essa propriedade de fala é algo conhecido como “own voices” no mercado internacional e é muito importante para a diversidade na literatura."

Outras leituras:

Escrito em algum lugar, Vitor Martins

Conectadas, Clara Alves

Mesmo que eu vá embora, Lethycia Dias

Querido ex, (que acabou com a minha saúde mental, ficou milionário e virou uma subcelebridade), Juan Jullian 

O garoto quase atropelado, Vinicius Grossos

Vingança, sorvete e nós duas, Rebecca Jorge

Taiany Araujo

É mais uma millennial cheia de sonhos, medos e uma paixão pelos anos 90. Fã de Legião Urbana, não dispensa música brega e se identifica como uma mistura de Rubel e Caetano. Não é estranho pegá-la falando sozinha, muito menos perde-la de vista, mas, é só dizer a palavra “livro” que ela aparece mais rápido que fã de Harry Potter pedindo pra colocar os filmes na Netflix.

#LeiaComOrgulho: Livros LGBTQ porque todas as histórias são importantes #LeiaComOrgulho: Livros LGBTQ porque todas as histórias são importantes Reviewed by Taiany Araujo on setembro 07, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.