Crítica: Yesterday, de Danny Boyle


Yesterday (film 2019) | Universal Pictures

'Yesterday' era o tipo de filme que tinha tudo para me fisgar: Beatles, pitadas de comédia romântica, o clichê do "caí, me machuquei e o mundo mudou depois disso".

Entrei no cinema disposta a rir um pouquinho, ficar comovida com o protagonista, e saí em prantos. Tudo bem que eu sou chorona normalmente, mas esse filme mexeu comigo de maneiras que eu não esperava.

Não querendo dar spoiler a ninguém, o filme narra a vida de Jack Malik (Himesh Patel), um cantor que não faz lá muito sucesso até sofrer um acidente e acordar num mundo onde ninguém sabe quem são os Beatles. É praticamente como ganhar na mega sena, e ele se aproveita do fato de ser o único que lembra de diversas canções dos Beatles para se lançar no mundo da música.

[Lembrete casual que já falamos sobre a trilha sonora do filme aqui]

Dá super certo, ele fica famoso, mas será que é só isso?

Já digo antes de continuar por um viés mais emotivo que o filme é muito bom, divertido, e inclui piadas auto-depreciativas do Ed Sheeran.

O filme tem seus clichês, e tem um momento envolvendo "Wonderwall"  que você acha que vai ser um dos pontos principais do filme e acaba sendo uma grande pilha de absolutamente nada.
Mas mesmo com isso, foi um dos melhores filmes que vi esse ano, e sei que me deixou chorosa porque percebi uma coisa: o que seria do mundo sem os Beatles?

Me peguei refletindo na sala de cinema quem seria eu se os Beatles não existissem. É muito difícil pensar nisso, porque eles sempre estiveram presentes na minha vida, seja no LP do meu melhor amigo quando eu tinha 8 anos ou na minha primeira viagem a São Paulo, quando comprei o DVD de Help!. Foi pelos Beatles que fiz minha primeira tatuagem e por conta deles que muito do meu gosto musical foi construído.

As músicas dos Beatles, seja como banda ou em carreira solo, me acompanham desde que me entendo por gente, e fazem tanta parte de mim que eu simplesmente não sei quem eu seria se esses quatro caras de Liverpool não tivessem decidido fazer umas músicas juntos. O que sei é que com certeza eu seria mais triste.

Ariel Carvalho

Ariel é uma lua de Urano, um espírito do ar, um sabão em pó, uma marca de carro e uma pequena sereia, mas também é uma bibliotecária que não consegue terminar a meta de leitura, sabe tudo de Monty Python e chora com filmes de ficção científica.

Crítica: Yesterday, de Danny Boyle Crítica: Yesterday, de Danny Boyle Reviewed by Ariel Carvalho on setembro 17, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.