Além do Ordinário: sobre se doar demais

Além do Ordinário: sobre se doar demais

A análise sobre o amor, o apreço, a maneira como a gente tem cada pessoa na nossa vida te possibilita enxergar a maneira como aqueles em sua vida orbitam, e depois dessa reflexão, para muitos existe o "grande problema" chamado 'doar-se demais'. Só que verdade seja dita, não existe problema em se doar, o problema é a retribuição (ou falta da mesma) e falta de limites. 

É preciso se permitir viver as relações que possuímos, sejam elas de amizade ou qualquer outro aspecto, conhecer o que estamos vivendo e quais são esses novos sentimentos... e parte de viver algo, é se permitir a doação de si mesmo. Entretanto, muitas vezes a gente esquece que limites são importantes e, muitas vezes, são o que nos previne de passar por situações de extrema dor emocional e psicológica.

Quando há a percepção de que suas ações não estão "ok" para si, que é o único realizando os sacrifícios, as tentativas, as entregas, tudo sem qualquer retorno partindo da outra pessoa, então é necessário refletir sobre essa relação, especialmente sobre o quê te fez ser o único a realizar os atos necessários. Qualquer relação, e já foi dito isto aqui, é construída na base do equilíbrio (ou deveria ser).

É compreensível que muitas vezes estamos desesperados em não ficar sozinhos que esquecemos que isso não deveria ser encarado como algo horrível, deveria ser o contrário; você não precisa ficar sozinho, mas é importante aprender a valorizar a própria companhia também.

Isso tudo pra dizer que, se notou a falta de reciprocidade, não se demore, como já disse Yandê Albuquerque. E não se martirize, essa constatação é sobre reconhecer seus limites, que você não precisa dar às pessoas mais do que te dão; reconhecer que, antes de tudo e todos, você precisa se colocar em primeiro lugar e que qualquer pessoa depois de ti não é tão importante quanto você. Isso não é sobre desvalorizar pessoas, é sobre valorizar você.

Impor limites nas suas relações é sobre te priorizar, sobre também saber que pode falar o que te incomoda, que pode mudar a situação que te aflige e não há porque engolir sapo sempre. Tu não é grudado em alguém pra coexistir e tem um mundo enorme com mais de 8 bilhões de pessoas ali fora para conhecer. Você jamais estará sozinho de verdade. 

E saber quando parar, qual seu limite, isso ajuda muito a não se machucar e não machucar os outros. Ajuda ainda a saber quando está exagerando no que poderia ser simplesmente resolvido numa conversa, aceitar o tempo de seguir em frente, e compreender que não há problema em se doar, se também doarem a você. Quando as pessoas envolvidas se entregam da maneira que podem, não existe demais ou de menos, só existe a entrega.

Claro que, no fim desse texto, cabe somente a você como levar esse pensamento escrito para a vida, mas, de qualquer forma, é sempre bom ter uma nova perspectiva.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

Além do Ordinário: sobre se doar demais Além do Ordinário: sobre se doar demais Reviewed by Jota Albuquerque on agosto 03, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.