Crítica: Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo [versão com cenas extras]

Crítica: Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo [versão com cenas extras]

POSSUI SPOILERS


No último dia 11 chegou ao Brasil a nova versão de Vingadores: Ultimato com bônus para todos aqueles que vêm acompanhando a Saga do Infinito durante todos esses anos. Junto com essa versão, um alvoroço se instalou em todo o Twitter, o que nos fez acreditar ser intrigante nos envolver nessa enorme discussão sobre o filme e tais bônus através de uma crítica. 

Gif  Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo
"Eu não pude pará-lo."

Como previamente dito num texto mais pessoal, o filme foge do imaginável, trabalhando com diversas surpresas para os fãs dos quadrinhos, bem como do universo construído nos cinemas, e finalizando uma saga que permeou 11 anos, sendo o penúltimo filme de uma chamada "terceira fase". Muita coisa, muito título e muita expectativa em cima de uma construção cinematográfica pela qual muitos expectavam havia anos.

Chocando muitos e apresentando uma verdadeira obra-prima, o longa atingiu seu objetivo. Os Irmãos Russo construíram um filme com um tom mais obscuro, brincando com as cores e canções para transmitir a mensagem antes de deixá-la visível para seu telespectador. Transportando diversos desejos acumulados por todos os anos de expansão do MCU (Marvel Cinematic Universe) para os dedicados entusiastas, o progresso das relações entre os personagens não foi ignorado, sendo trabalhado minuciosamente, apesar de alguns desfalques e priorizações, cristalizando, de minuto em minuto, qual seria o destaque: Steve e Tony.

Apesar de Thor também possuir uma relevância e tempo de tela consideravelmente amplos, especialmente levando em conta que ele faz parte deste trio Rogers x Stark x Odinson, os eventos de Guerra Civil que separaram o Capitão América e o Homem de Ferro, consequentemente os Vingadores, recebem mais referenciamentos, mais enfoque, podendo assim cessar essa rixa de uma vez por todas, acabando com ressentimentos, e assim encerrar os ciclos de ambos os personagens.

Gif  Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo
Note: Esse branco reluzente ao redor deles representa a esperança crescente de Steve diante da interferência de Tony enquanto eles usam cores tidas opostas, demonstrando como eles são antagônicos, mas melhores juntos.

Enquanto mais tarde era confirmado que Thor possuiria uma sequência dirigida, como Ragnarok, por Taika Waititi, o fim da história de Robert Downey Jr. e Chris Evans como, respectivamente, Tony Stark e Steve Rogers chegou em Ultimato de modo único. Stark se sacrifica para que Peter Parker volte à vida mantendo a família que conseguiu, desempenhando um papel indispensável nos trilhos que os levariam para a batalha final, ao mesmo que Rogers decide experimentar a vida que Tony havia conquistado nos últimos cinco anos, finalmente conseguindo descansar após ser o último homem de pé quando todas as forças estavam caídas, enfim de volta à época que supostamente nunca era para ter saído.

Não que isso torne os feitos pelos demais heróis dispensáveis, todos foram fundamentais para os resultados finais. Sem os esforços de Natasha, Bruce, Thor, Clint, Rhodes, Scott e Carol, entre outros, nada seria possível, e é interessante ver como aprimoram essas questões ao mesmo tempo em que discorrem sobre como as ações possuem consequências, e essas consequências resultam em realidades alternativas, reforçando assim os primeiros indícios de Multiverso que foram apresentados em Doutor Estranho, de volta à 2016, e voltaram a ser pinceladas agora em 2019, com Homem-Aranha: Longe de Casa.

Além de dar espaço para o andamento do Multiverso nas telonas, enfim temos a introdução de viagem no tempo. Trabalhando sobre um conceito pouco revirado, ressaltando Scott Lang e tudo apresentado nas duas produções do herói - "Homem Formiga" e "Homem Formiga e a Vespa" -, o que nos é apresentado, de não existir Efeito Borboleta na própria realidade-matriz, é relevante para o futuro desses heróis, sendo capaz de evitar gafes inevitáveis devido as consequências deste efeito, além de possibilitar uma visão pouco explorada de Viagem no Tempo de, enfim, ser examinada e expandida.

Gif  Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo
"Isso não soa sutil."

Obviamente que como qualquer outra criação, Vingadores: Ultimato possui seus pontos fracos, senão falhas, como é o caso do descaso em relação à transtornos psicológicos - mesmo que diante de um sub-desenvolvimento interessante - e falta de um funeral entre íntimos para Natasha Romanoff.

É reconhecível que, no caso da espiã, ela não possuía condecoração popular como Tony Stark exatamente por trabalhar nas sombras, portanto não ganhando maiores louros pelo que realizou, mas nada impedia dela receber este momento dos amigos nas telonas para os fãs verem. Ou mesmo mais tempo de tela com um detalhe atencioso, como no caso de Steve - que liderava uma terapia em grupo -, ajudando crianças carentes (o que havia sido pensado, como revelaram).

Gif  Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo
Esse momento, assim como o relacionamento deles, é tão singelo e carregado de significados que provavelmente daria um texto único, mas vamos nos ater à: enquanto tudo está escuro ao redor deles, os dois são os únicos que compreendem verdadeiramente um ao outro, que conseguem ver a luz um do outro (não à toa há mais centralização de luz entre eles, com foco na Natasha, que é quem mais está em paz no momento).

Mesmo com falhas, que podem ser reparadas no futuro - já que Viúva Negra terá seu filme solo em 2020, felizmente produzido pela própria atriz, Scarlett Johansson -, o vigésimo segundo filme da franquia seguiu quebrando recortes e se tornando um sucesso aclamado pela crítica, ultrapassou o filme de maior bilheteria mundial, Avatar, do diretor James Cameron. O plano de contigência da Marvel/Disney (relançar o filme com bônus e assim, conseguir finalmente ultrapassar o de 2009) funcionou: no último dia 20, sábado de painel Marvel e Studios Marvel na San Diego Comic-Con, se tornou o filme de maior bilheteria mundial da história do cinema com 2.790.216.193 somados*.

*Até a publicação dessa matéria,.


Numa revisão geral desse relançamento, não há nada que mude a história significativamente. Há, entretanto, pequenos detalhes que podem passar despercebidos, os quais cooperam com todo o restante do longa-metragem em desenvolver as relações entre os personagens ou o que estes sentem. Essa nova edição da história nos traz prolongamento de algumas cenas, introdução de outras e novas minúcias com o CGI, tudo muito organicamente acrescentado, de maneira tão sútil que se você não viu antes o filme, provavelmente nunca saberia; e se viu, é piscar os olhos para perder algo.

Além desses pequenos (e curtos) detalhes, também há uma homenagem emocionante ao criador de todos esses personagens e histórias que vêm sendo adaptado, Stan Lee. Conseguiram, em cerca de 7 minutos, transparecer todo o grande homem que foi esse contador de histórias, e porque era tão adorado, tão amado. Entrar em contato com esses momentos tão íntimos entre os atores e todos da produção com Stan é irrevogavelmente mágico, fazendo-o refletir como você também é essencial para esse universo que vem ganhando vida diante de seus olhos.

A cena pós-crédito, entretanto, é o que veio gerando alvoroço entre os fãs. Logo que o filme havia sido relançado lá fora, não levou pouco para vazarem a cena, a qual tantos esperavam depois de dias de Anthony e Joe Russo despejando toda a lenha nesse fogo de expectativas, gerando milhares de frustrações. Muitos se decepcionaram por ser uma cena inacabada, fora de contexto e com falas sem conexão dentro da trama, cuja envolvia Bruce Banner. Outros, continuam buscando uma conexão para o futuro do universo cinematográfico Marvel ou seguem rindo.

Gif  Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo
"É. Uma teoria é só um-- é um palpite."

Se a verdadeira questão que interessa a resposta for "Vale a pena ir ver?", não há como dizer que não. É uma aventura cheia de camadas, personagens que envolvem e história emocionante que, mesmo fantástica, nos aproxima e embala, revelando similaridades nossas com estes que vemos reproduzidos nas telas. E ainda que a cena pós-crédito não seja o esperado, você nunca irá se arrepender de ver essas pessoas mais uma vez, sobretudo algumas que será pela última vez, em um filme que fez história e nos dá muito para ser analisado.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

Crítica: Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo [versão com cenas extras] Crítica: Vingadores: Ultimato, de Anthony e Joe Russo [versão com cenas extras] Reviewed by Jota Albuquerque on julho 23, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.