Assexualidade: alguns conceitos e principais dúvidas


Você aí, já ouviu falar em assexualidade? Se não frequenta certos nichos, são grandes as chances de que esse seja o seu primeiro contato com o termo, o que é bem compreensível. Além do fato de vivermos numa sociedade extremamente normativa que marginaliza qualquer identidade que fuja do padrão, ainda temos os fiscais da vida alheia reclamando que as pessoas estão "inventando termos demais". A verdade é que a sexualidade humana é absurdamente diversa e dar nome aos bois ajuda no processo de compreensão, de construir a própria identidade.


Dito isso, esse post vem trazer um pouco de luz ao termo assexualidade, que para o meu horror, quando é falado em algum lugar normalmente é feito da forma ERRADA. Uma verdadeira desgraça.

Então vamos lá:

  • Afinal de contas, o que é assexualidade?
Assexualidade é um termo que abrange um espectro que vai de pouca atração sexual (ou condicionada), até a ausência dela. Enquanto que a bissexualidade fala da atração por dois ou mais gêneros, por exemplo, a assexualidade fala da baixa ou ausência de atração por qualquer gênero que seja.

  • Então assexuais não se relacionam com ninguém?
Infelizmente esse é um dos maiores mitos sobre o assunto. O fato de não sentir atração sexual não significa que a pessoa não se apaixone (aí já entra o arromantismo, que é outra coisa) ou não tenha vontade de se relacionar de alguma forma com o outro. Também não significa que ela não veja beleza em outras pessoas ou vontade de ter algum tipo de contato físico. Aqui vou precisar explicar um conceito básico:: existem diferentes tipos de atração.

  • Pera MAS COMO ASSIM?
Vamos combinar que em nenhum momento das nossas vidas recebemos educação emocional e/ou sexual né, então muita coisa aprendemos na marra ou de forma errada. Um dos principais erros é a ideia de que formamos sobre o conceito de atração. A gente tende a achar que atração envolve necessariamente desejo - vontade de ficar junto - sexo, quando na verdade ela tem várias facetas. Podemos achar uma pessoa absurdamente LINDA, mas não querer ter nada com ela. Isso é atração estética. Podemos achar uma pessoa nada bonita esteticamente, mas ela ter ALGUMA COISA que dá vontade de tocar, de beijar. Essa é a atração sensual/física, que pode ou não levar a uma atração sexual, a vontade de ter contato sexual com alguma pessoa. Gostar/amor faz parte da atração romântica e ela pode aparecer junto com cada uma das outras ou todas elas. Ou nenhuma.

Em geral as pessoas sente a maioria das atrações em conjunto, então nem passa pela cabeça pensar numa diferenciação, né kkkkkk. É AÍ QUE ESTÁ O PULO DO GATO, porque pessoas assexuais sentem muito menos ou não sentem a atração sexual, o que significa que ficam sem entender direito o que está acontecendo. Todo o nosso mundo espalha conhecimento e experiências sobre pessoas que experimentam atração sexual.

E quem não sente, se baseia NO QUÊ? Por isso é tão importante que cada vez mais pessoas se reconheçam como assexuais e FALEM sobre pelos quatro ventos.

  • Ok, entendi. Então assexuais nunca vão querer saber de sexo, né?

ERRRRRRROU!!! Antes de mais nada, preciso deixar claro uma coisa: identidade é uma coisa, comportamento é outra. Vamos usar de exemplo uma pessoa celibatária, que em algum momento da vida escolhe se abster de atividades sexuais. Ela até pode achar alguém atraente, mas não vai fazer nada sobre isso pois tem seus motivos. A identidade dela se manifesta, mas o comportamento vai depender de mil fatores. Pessoas assexuais que não sentem atração podem perfeitamente escolher fazer sexo por mil e um motivos, incluindo diversão, prazer, intimidade emocional, etc. 

ALÉM DO MAIS, falei lá em cima que a assexualidade é um espectro que vai de pouca atração a nenhuma. Quem sente pouca atração obviamente sente em algum momento, né?

  • Mas peraí, ninguém sente atração sexual por todo mundo o tempo todo, então porque esse espectro? Por que ter nomes como demissexual? Não é todo mundo assim?

Ah, a polêmica. Em geral sempre usam esse argumento pra tentar invalidar as identidades do espectro ace (apelido pra assexual), se esquecendo de que quando se fala em frequência não quer dizer que alossexuais (pessoas que sentem atração) são uns tarados. A assexualidade fala de uma atração que se manifesta de forma muito condicional, exigindo algum tipo de vínculo pra haver a POSSIBILIDADE dela aparecer (demissexualidade), ou tão fraca que se ignora facilmente (gray-assexual) ou nem aparece mesmo. Já uma pessoa alossexual em 20 anos de vida já pode ter sentido uma atraçãozinha daqui, uma atraçãozona dali, sem nunca ter a preocupação de ter alguma coisa errada com ela por se sentir incapaz de dar uns beijos naquela pessoa tão bonita ali disponível.

Uma pessoa alossexual tímida pode deixar passar alguma oportunidade de rolo por vergonha. Uma pessoa demissexual pode deixa escapar porque não vê sentido em sair com alguém assim. Uma pessoa alossexual religiosa pode limitar os contatos físicos por princípios, uma pessoa assexual simplesmente não quer ou não vê o porquê disso. Uma pessoa alossexual super romântica pode se apaixonar por várias pessoas ao longo da vida e se atrair por elas, uma pessoa assexual romântica também pode se apaixonar muitas vezes, mas sentir atração por ninguém.

Talvez num futuro próximo as pessoas se deem conta de que o espectro que vai do alossexual ao assexual é uma área cinzenta e ninguém é 100% assexual ou 100% alossexual o tempo todo (pessoalmente, eu tenho uma teoria que esse é o padrão kkkkk), mas por enquanto vivemos num mundo que só reconhece a existência do primeiro, então é fundamental a existência desses "rótulos". Eles ajudam muito a entender quem você é e como você pode se relacionar de forma satisfatória, sem passar por cima dos seus limites por conta de um padrão cultural.

Enfim, dei uma pincelada sobre o assunto, que por sinal dá muito pano pra manga e mais alguns posts. Até lá, fiquem com a nossa pasta fofíssima no pinterest:




Isabelle Fernandes

Mais conhecida como Bells, é psicóloga, pesquisadora e praticante de taekwondo nas horas vagas. É mãe de três gatos, trata os livros como se fossem relíquias e divide o tempo entre ler artigos científicos e mapas astrais

Assexualidade: alguns conceitos e principais dúvidas Assexualidade: alguns conceitos e principais dúvidas Reviewed by Isabelle Fernandes on maio 18, 2019 Rating: 5

Um comentário:

  1. Aaaaaaaaa Brasil, pude me entender mais um pouco. Tenho 22 anos e sou a que se apaixonou muitas vezes mas NUNCA sentiu atração sexual kkkkkkk

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.