[Sem Spoilers] Mostrando a que veio, ''Avengers: Endgame'' foge do imaginável


Faz algumas horas que eu saí da sessão de pré-estreia de "Avengers: Endgame", e como não consegui dormir por ficar pensando sobre o filme, tomei a decisão de sair do quarto, pegar o computador e digitar. Então seja bem-vindo ao meu veredito sem spoiler do filme que, pra mim, é o filme do século.


Minha sessão começou com uma cortesia organizada pela Omelete em parceria com a Cinemark às 23:30. A exibição especial de retrospectiva desses (até agora) 11anos de Universo Cinematográfico Marvel foi o que eu posso chamar, com muita paixão no coração, de ouro puro pra todos os fãs desse universo maravilhoso. Mostrava não só cenas perfeitas de batalhas e de personagens específicos, como a introdução de cada um explicando como Kevin Feige (presidente da Marvel Studios) tão majestosamente sabe fazer e outros detalhes sobre a indústria de filmes de super-heróis.

Depois disso, houve algumas propagandas para dar o tempo do pessoal ir ao banheiro caso fosse preciso, e quando deu meia noite e um minuto, a sala escureceu e o filme começou, o que levou todos (eu incluso) ao delírio e palmas. Logo no início a gente já leva um soco na boca do estômago e assim segue, sendo os 20 primeiros minutos focados nos detalhes liberados nos trailers e nas consequências de haver 50% de todas as criaturas vivas extintas do universo. O início do filme é mais escuro, passa por um momento mais colorido e continua fazendo essas brincadeiras de cores que são importantes notar.

Além de focar nos Vingadores originais, Ultimato (tradução pro português), focaria mais ainda em Steve e Tony, especialmente a relação deles. Todos os Vingadores têm seus momentos de glória e devo ressaltar que finalmente pudemos ver a extensão da atuação de Scarlett Johansson na Marvel, encontrando uma Natasha decepcionada consigo mesma, triste e por muitas vezes chorosa e brincalhona como um modo de lidar com a dor.

Também encontramos um muito desenvolvimento muito bem feito de Nebula e sua história, além da conexão entre ela e alguns Vingadores que não mencionarei. Outro ponto forte é  Scott Lang (Homem Formiga). Na verdade, acho bem difícil achar pontos fracos nesse filme, dado que tudo foi muito bem costurados e pouquíssimas perguntas foram intencionalmente deixadas para serem respondidas na próxima fase (4) do Universo Cinematográfico Marvel. 

Algumas dinâmicas valem a pena mencionar: Bruce x Thor, Natasha x Barton e Steve x Tony. Todas extremamente desenvolvidas e com todo o cuidado do mundo, nos fazendo relembrar todo o caminho que cada um deles tiveram até o presente momento, o que os levou a ter laços tão fortes e especiais um com o outro. Eu só não entendi muito bem a dinâmica entre dois personagens específico, mas vou esperar e mencionar no post coletivo e com spoilers da equipe sobre o filme.

Em relação à Capitã Marvel, que foi pelo que eu esperei insanamente nesse filme: todas as aparições são no mínimo icônicas, coisa de outro nível mesmo, deixando claro (se alguém ainda tinha dúvidas depois do filme solo dela -- que por sinal, COMO TERIA DÚVIDA AINDA?) que Brie Larson é a mesma coisa em relação à Carol Danvers que o RDJ é com o Homem de Ferro: a pessoa certa, a encarnação da personagem.

"Eu não vou lutar sua guerra"

Os diálogos, bem construídos; os personagens, bem salientados quando essencial; os plots twists (que são muitos), bem colocados; roteiro impecável. Cenas muito bonitas esteticamente. "Avengers: Endgame" tem um final surpreendente e mais do que magnífico para uma saga muitíssimo bem pensada e planejada que há 11 anos atrás me trouxe vida de uma nova forma, me trouxe uma vivência de sofrer e me liberar das amarras de me conter dentro de uma sala de cinema como nenhum outro. 

Um filme que apesar de lidar com diversos momentos de cargas dramáticas (importantíssimas, por sinal), soube muito bem como e quando inserir seus momentos cheios de comédia e piadas. "Vingadores: Ultimato" não peca em ser apresentado como o filme que pode salvar a indústria cinematográfica de sua crise, e que não só isso, mas também pode ser considerado o melhor filme do ano. 

É um filme longo (afinal, são muitas coisas para fechar e pontos finais para colocar, assim como novos pontos de interrogação [ou renovação de alguns]), mas 3 horas e 2 minutos passaram num piscar de olhos e nesse tempo afundado nessa maravilha que é a MCU, eu chorei, ri, berrei, bati palmas e tive a melhor experiência dentro de uma cinema que eu vou guardar pro resto da minha vida. Essa pré-estreia foi tudo e mais um pouco pra mim de uma maneira que eu jamais imaginei possível.

Se você achou que Infinity War (Guerra Infinita, traduzida para o português) foi bom, você não perde por esperar pelo que Ultimato vai te trazer.

Crédito à quem fez a edição aqui

Ps.: Não espalhe spoiler. Não estrague a experiência de alguém. Nesse caso, consentimento também é importante.

Jota Albuquerque

Jota é mais um jovem adulto vagando pela vida sem a menor ideia do que está fazendo (ou acontecendo). Tradutor Intérprete em formação, também pensa em se meter com Ciências Políticas e/ou Cinema. Um ser necessitado de paciência e autopreservação, ele é também um paulistano romântico viciado em pesquisas. Se tiver dúvidas de onde encontra-lo, é só seguir as trilhas de discussões políticas que há por aí.

[Sem Spoilers] Mostrando a que veio, ''Avengers: Endgame'' foge do imaginável [Sem Spoilers] Mostrando a que veio, ''Avengers: Endgame'' foge do imaginável Reviewed by Jota Albuquerque on abril 25, 2019 Rating: 5

2 comentários:

  1. Você me deixou estremamente curiosa em relação ao filme. Fiquei com muita vontade de assistir. Continue escrevendo. Admirável!!!!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.